Tel.: (11) 4963-2333 | 2885-6222 | 9 6248-0265 (OI)  
                 
clinica@equilibriovital.med.br  
     
     
    CRP/SP n°4630/J


A vida sexual na gravidez

< Voltar

Para o casal a gravidez é um período de adaptação, em todos os sentidos; adaptações físicas, emocionais, existenciais e também sexuais. É importante ressaltar que a necessidade de adaptação não afeta só a mulher, mas também o homem, como ansiedade em relação ao parto, a responsabilidade de ser pai.

Primeiro trimestre de gestação: a tendência é de diminuição do desejo sexual da mulher. A realização de ser mãe encobre outros desejos, a preparação do enxoval, os cuidados com o corpo e as preocupações características da gestação. As fantasias sobre o aborto aparecem, alguns desconfortos decorrentes dessa fase também como os enjôos, náuseas e sonolência contribuem para um certo afastamento do sexo.
 

Segundo trimestre de gestação: a tendência do desejo sexual é voltar ao normal, podendo muitas vezes até ser aumentado. Para o homem, pode haver seu 1º impacto com relação ao corpo da mulher, pois é nessa fase que as alterações físicas tornam-se mais perceptíveis.

Terceiro trimestre de gestação: é cercado de dificuldades: crescimento da barriga, posição insatisfatória para o sexo e aumento da freqüência urinária. Alguns homens temem "machucar o bebê". Aparece o conflito entre a mistura de papéis: o de amante, de esposa, de mulher e de mãe, gerando o desequilíbrio emocional. Alguns sintomas psicológicos nesse período da gravidez:

• Não se sente atraente ou feminina;

• Baixa auto-estima devido às modificações corporais;

• Medo com relação ao parto;

• Depressão;

• Apatia sexual;

• Sentimentos que o companheiro está procurando outra mulher;

• Pensamentos negativos sobre o bebê de como vai nascer;

• Manter relações sexuais faz bem, aumenta a cumplicidade do casal, alivia tensões e relaxa.


Formas de Tratamento

• 1º Passo: O pré-natal é fundamental tanto para a mamãe e o bebê, onde pode tirar as dúvidas e saber como está evoluindo a gestação.    Caso haja algum risco como de deslocamento placentário, risco de parto prematuro, entre outros, a(o) Ginecologista irá avaliar o caso de    suspender a prática sexual ou não;

• 2º Passo: Busca do Tratamento Psicológico, irá ajudar a mamãe a lidar com os pensamentos negativos, os conflitos internos e no    relacionamento do casal.

Pense nisso

  "O sexo não se restringe apenas no ato sexual, há outras práticas que podem ser muito prazerosas e quem vive bem com a sexualidade durante a gravidez só tem a ganhar."
 

Simone Alves de Melo CRP 06/53844-06 Psicóloga com especialização em Transtornos Alimentares - Terapeuta com especialização em Abordagem Corporal e Florais de Bach.

< Voltar

Clínica Equilíbrio Vital

Rua Dr. Angelo Vita, nº 64 - 1º Andar - Sala 106 - Centro - Guarulhos/SP.
CEP 07110-120 - Fone: (11) 4963-2333 / 2885-6222 / 9 6248-0265 (OI)


Desenvolvido por CWD Internet